BIO
Marcelo Moscheta
São José do Rio Preto, 1976
Lives and works in Campinas

The common thread running through Moscheta’s work is a great fascination for nature, together with his willingness to travel and experience the landscape. This experience of travelling and living in difficult environments stimulated his interest in depicting the memory of a place in his works, developing a classification procedure like that of an archaeologist questioning the boundaries of territory, geography and physics through art.

Since the start of his artistic career in 2000 he has created works and exhibitions arising out of journeys to distant places, where he collects objects from nature and reproduces them through drawing and photography, creating installations and objects.

In his curriculum, attention to the solo shows 1.000 km, 10.000 years (2013) at Galeria Leme and the site-specific Contra.Céu (2010) at Morumbi’s Chapel. Comissioned by the 8 Biennial of Mercosul (2011), he has made his research along the extension of the brazilian/uruguayan border. Also in 2011, participated in artistic residency onbord a tall ship at Spitsbergen, North Pole. This experience resulted in the solo show NORTE (2012), made at Paço Imperial, RIo de Janeiro. In 2013 he participates in the collective show The Arctic, at the Louisiana Musem of Modern Art in Copenhagen. In 2014 participates in Vancouver and Montevideo Biennials.

In 2012 he was awarded the I Pipa Prize Popular Vote, at MAM Rio. In 2009 was awarded in the Bienalle de Gravure de Liège and made artistic residence at Vila Nova de Cerveira for the Biennial of Portugal, and participated also on the 4a. edition of Rumos ItaúCultural. In 2013, take part in the book Vitamin D2, Phaidon, an antology of contemporary drawing.

His works are in the collections Gilberto Chateaubriand, MAM-Rio, Lhoist Collection - Bruxels, RNA Foundation in Moscow, The Deutsche Bank, Banco Espírito Santo, MAM Bahia, MAC Goiânia, MAM São Paulo, ItaúCultural, Pinacoteca do Estado de São Paulo and MAMAC Liège.


_______________________________________________


Marcelo Moscheta
São José do Rio Preto, 1976
Vive e trabalha em Campinas

Um fio condutor na obra de Moscheta é a grande fascinação que tem pela natureza, assim como a sua disposição aberta à viagem e à experiência da paisagem. Essa experiência de viajar e conviver em ambientes agrestes despertou seu interesse em retratar, por meio de suas obras, a memória de um lugar, elaborando um procedimento de classificação similar ao arqueológico e que questiona, por meio da arte, as fronteiras do território, da geografia e da física.

Desde o início da sua carreira artística, no ano 2000, tem realizado obras e exposições que nascem de seus deslocamentos por lugares remotos, onde vai coletando objetos que provêm da natureza e que ele reproduz por meio do desenho e da fotografia, criando instalações e objetos.

Destacam-se em seu currículo as exposições individuais 1.000 km, 10.000 anos (2013), na Galeria Leme e a intalação Contra.Céu (2010) realizada na Capela do Morumbi. Comissionado pela 8 Bienal do Mercosul (2011), realizou sua pesquisa em toda a extensão da fronteira entre Brasil e Uruguai. Também em 2011 participou de residência artística à bordo de um veleiro em Spitsbergen, no Pólo-Norte, resultando na exposição NORTE (2012), realizada no Paço Imperial. Em 2013 participa da coletiva The Arctic no Lousiana Museum of Modern Art em Copenhagen. Em 2014 participa como residente nas bienais de Vancouver e Montevideo.

Em 2010 foi ganhador do I Prêmio Pipa Júri Popular, com exposição no MAM Rio de Janeiro. Em 2009 foi premiado na Bienal de Gravura de Liège e fez residência em Vila Nova de Cerveira para a Bienal de Portugal, tendo participado também da 4a. edição do Rumos ItaúCultural. Em 2013, participa da publicação Vitamin D2, Editora Phaidon, uma antologia do desenho contemporâneo.

Possui obras nas coleções Gilberto Chateaubriand, MAM-Rio, Lhoist Collection - Bruxelas, RNA Foundation em Moscou, Deutsche Bank, Banco Espírito Santo, MAM Bahia, MAC Goiânia, MAM São Paulo, ItaúCultural, Pinacoteca do Estado de São Paulo e MAMAC Liège.